No blog http://tinformando-meus-blogues.blogspot.com.br/ encontrará o meu espaço web

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Eleições próximas

O sangue da Democracia: as eleições e campanhas políticas
Estamos em processo eleitoral, segundo turno, eleição para prefeitos no Brasil. Em outros países campanhas pesadíssimas mostram angústias e problemas típicos de uma época turbulenta, pura consequência das intervenções estrangeiras a favor de poderosíssimos grupos econômicos.
Felizmente no Brasil ainda podemos concentrar nossas questões em problemas locais e para isso existem novas ferramentas de comunicação e nosso povo infinitamente mais instruído que era há meio século.
Segundo turno em cidades onde as dúvidas não entronizaram seus gerentes e têm porte de acordo com a legislação para esse privilégio.
O que fazer? Escolher o menos ruim? Algum candidato é o ideal para a cidade?
Em Curitiba temos desafios imensos. Infelizmente a demagogia entrou de sola na campanha, obscurecendo o debate de questões como, por exemplo, um orçamento hipotético apontando receitas e despesas da próxima administração. Aliás, cremos que nenhum candidato brasileiro fez isso. O normal é dizer o que os “luas pretas”, marqueteiros e outros sugerem para ganhar as eleições, depois é outra conversa. Aí, como aconteceu espantosamente na última campanha para a Presidência do Brasil, a chapa vencedora simplesmente admitiu que o Brasil estava praticamente quebrado logo após o resultado das urnas, algo semelhante aconteceu dois anos antes na eleição municipal na capital do Paraná.
O que devemos e podemos fazer?
É agir com a lógica do passarinho que pegava e jogava água na floresta incendiada[1]. Cremos que essa é a base de muitos integrantes das diversas ações que procuram mudar o Brasil, com destaque para a “Lava Jato”. Quem é poderoso pode muito, e nós?
Quem possui uma simples máquina fotográfica digital, celular mais moderno, acesso a qualquer sistema de informação e comunicação atual pode muito. Nunca sabemos quem vai ler, ver, ouvir, mas se temos alguma sensibilidade poderemos conquistar algumas pessoas para nossas teses ou apenas alertar para questões normalmente desprezadas pelos marqueteiros.
Blogues, YouTube, e-mails, Facebook etc. viabilizaram um universo de contatos que é importantíssimo.
Dificilmente encontraremos no Brasil, principalmente, algum eleitor satisfeito. Infelizmente as dinastias que se apropriaram de partidos políticos ainda mandam, e mandam muito e o povo, imbecilizado por uma cultura servil ou lealdades ingênuas, desconhece que é ele que sofrerá as consequências da incompetência e outros possíveis defeitos de seus candidatos.
Precisamos mudar, temos um consolo, qualquer que seja o resultado dessa fase eleitoral o Poder Judiciário está fazendo sua parte, destacando-se no plano nacional com decisões inéditas e pessoas fantásticas.
Não podemos desistir do Brasil.
É fundamental lembrar que a democracia é o único sistema que tem na liberdade, igualdade e fraternidade sua base de origem maravilhosa. Sabemos que a liberdade dignifica o ser humano. Tudo o que tem acontecido valoriza nosso país, apesar do tremendo prejuízo das causas e ações que agora justificam processos gigantescos.
Vejam, ouçam, leiam e pensem em quem votar.

Cascaes
28.10.2016






[1] “Certa vez, uma linda floresta começou a pegar fogo. Os animais, assustados, começaram a correr, fugindo desesperadamente da bela floresta. Mas um deles, um passarinho, corajosamente decidiu fazer alguma coisa para impedir o ímpeto das chamas: ele pegava um pouco de água pelo bico e jogava água nas chamas, na tentativa de apagar o fogo. Os outros animais lhe diziam que seria impossível que ele conseguisse apagar o fogo sozinho. Mas o passarinho não hesitou em responder: ‘Não importa. Estou fazendo a minha parte’.http://www.corujinhalulu.com/2015/05/mensagem-reflexao-passarinho-floresta-em-chamas-faca-sua-parte.html

máquina para amador fazer filmes e "tirar" fotografias

Uma via rápida em Curitiba

VOTO OBRIGATÓRIO?







NOSSAS RESPONSABILIDADES

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Amigos e amizade


Poucas palavras são tão mal-usadas quanto “amigos” e “amizade”[1]. Com certeza consideramos o ato de ser amigo(a) algo importante, mas a vida impõe limites desde que nascemos, afinal a sobrevivência é um instinto básico e talvez Maslow tenha ilustrado da melhor maneira o que são os desafios íntimos que enfrentamos (Hierarquia de necessidades de Maslow).
Mente quem nega qualquer infração às regras de amizade absoluta, ela é circunstancial e tão mais frágil quanto mais exigente formos. Mais ainda: psicólogos, psiquiatras, médicos, sociólogos e até pessoas dedicadas à Justiça aos poucos vão descobrindo patologias (Cascaes, A Pessoa com Deficiência Intelectual) comportamentais que afetam multidões e indivíduos.
O conceito de bom ou mal é consequência do maniqueísmo[2] que se cultiva há milênios; felizmente aos poucos a Ciência vai demonstrando sua relatividade e origens, viabilizando, quem sabe, a prevenção e cura dos comportamentos doentios identificados (Cascaes, Saúde - Prevenção e Primeiros Socorros).
Michel Foucault (para falar do filósofo mais recente e famoso internacionalmente) gastou sua vida estudando comportamentos humanos para uma análise filosófica e algumas de suas obras são de leitura obrigatória [ (Foucault, Filosofia Foucault por ele Mesmo), (Foucault, Vigiar e Punir), (Foucault, História da Loucura), etc.] para quem se interessa pelo assunto.
A verdade pura e simples é que temos forças íntimas nem sempre conhecidas por nós mesmos (Id, Ego e superego - Psicanálise de Freud) e (Souza) e usamos e abusamos fortemente de muitos artifícios em nosso relacionamento (Harris) que a Análise Transacional[3] explica muito bem de modo geral, além das patologias psicossociais conhecidas e já razoavelmente estudadas.
O sucesso e acima de tudo a felicidade pessoal são desafios permanentes e para isso, naturalmente, devemos ter consciência das limitações pessoais, nossas e das pessoas que amamos além de senso de prioridades. Vencer na vida, como a própria palavra diz, é competição, disputa, lutas que podem deixar cicatrizes. O desafio pode ser grande e até podemos dizer que o tamanho das virtudes e defeitos do ser humano lutador é proporcional ao nível conquistado, exceto em carreiras virtuosas, longe de multidões.
Acima de tudo é fundamental o que queremos realmente e o que estamos dispostos a sacrificar para conquistar algo (Candiotto).
Naturalmente crescemos e formamos família, geramos descendentes que dependerão de nosso trabalho e relacionamentos, isso tem um valor instintivo colossal.
Os desastres familiares e sociais são efeitos de erros de avaliação induzidos (religiões, ideologias, atavismos, etc.) e mal avaliados.
No século 21, que será com certeza, se os censores e poderes dominantes deixarem, o da comunicação plena e universalização cultural (Cascaes, Ensino e literatura século 21), poderemos evoluir muito, apesar desse início nada auspicioso do fortalecimento do fundamentalismo religioso, imperialismo, guerras étnicas e religiosas, conservadorismos doentios, vaidades incríveis e mercantilismos sem limites.
A esperança de evolução é imensa, pois as novas gerações poderão viver muito e aprender mais do que as anteriores, ou seja, existir sem as pressões hormonais demonizadas da juventude e início da fase adulta e com cérebros treinados para pensar.
Entre tudo merece reflexões prioritárias o conceito de amizade.
Desde cedo assusta ver filhos e filhas valorizando mais as amizades do que orientações e o amor dos pais. É uma experiência clássica e realidade típica da Humanidade, graças a isso tudo se renova permanentemente, nem sempre para melhor. Assusta, pois principalmente no Brasil já sentimos fortemente o que significa deixar nossos entes queridos à mercê de uma mídia comercial e religiosa oportunistas e no meio de ambientes afetados pela criminalidade.
Infelizmente nossa elite padece de vícios dos tempos escravagistas (ainda) e patrimonialistas; não viabilizou a juventude, desprezou as crianças (Cascaes, Mirante da Educação) e faz pouco caso de seu povo. Garantem seus poderes financiando partidos políticos e lideranças da pior espécie (vide Lava Jato).
Nisso tudo desde a infância somos sensíveis a amizades e ambientes aleatórios que podem gerar seres maravilhosos assim como extremamente nocivos aos nossos ideais mais sinceros e saudáveis.
Amigo? Amiga? Ótimo, mas quem? De que jeito? Onde? Para quê? Quantos?
As redes sociais, principalmente, têm trazido mensagens que não refletem a realidade. Quem viver muito saberá que amizade é algo precioso, importante, mas de efeitos colaterais perigosos se mal escolhidas.
Nesse planeta de multidões crescentes e monstrópolis precisamos desesperadamente de amigos e amigas, o perigo é que a sede excessiva de relacionamentos contamine nossos maiores sonhos de justiça, liberdade e fraternidade.

João Carlos Cascaes
Curitiba, 27 de outubro de 2016

Candiotto, Cesar. Foucault e a crítica da verdade. Curitiba: Champagnat, 2010.
—. s.d. Mirante da Educação. .
—. Vigiar e Punir. Vozes, s.d.
Harris, Thomas. Eu estou OK, você esta OK. s.d. <http://www.skoob.com.br/livro/8187-eu_estou_ok_voce_esta_ok>.
“Hierarquia de necessidades de Maslow.” 5 de 6 de 2012. Wikipédia, a enciclopédia livre. <http://pt.wikipedia.org/wiki/Hierarquia_de_necessidades_de_Maslow>.
Id, Ego e superego - Psicanálise de Freud. s.d. <http://www.psicoloucos.com/Psicanalise/id-ego-e-superego.html>.
Souza, Rodrigo De. Os símbolos e arquétipos de Jung. s.d. 5 de 5 de 2014. <http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=01448>.






[1] Amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore; amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego) é uma relação afetiva, a princípio, sem características romântico-sexuais, entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade ao ponto do altruísmo. Neste aspecto, pode-se dizer que uma relação entre pais e filhos, entre irmãos, demais familiares, cônjuges ou namorados, pode ser também uma relação de amizade, embora não necessariamente.
A amizade pode ter como origem um instinto de sobrevivência da espécie, com a necessidade de proteger e ser protegido por outros seres. Alguns amigos se denominam "melhores amigos". Os melhores amigos muitas vezes se conhecem mais que os próprios familiares e cônjuges, funcionando como um confidente. Para atingir esse grau de amizade, muita confiança e fidelidade são depositadas.
Muitas vezes os interesses dos amigos são parecidos e demonstram um senso decooperação. Mas também há pessoas que não necessariamente se interessam pelo mesmo tema, mas gostam de partilhar momentos juntos, pela companhia e amizade do outro, mesmo que a atividade não seja a de sua preferência.
A amizade é uma das mais comuns relações interpessoais que a maioria dos seres humanos tem na vida. Em caso de perda da amizade, sugere-se a reconciliação e o perdãoCarl Rogers diz que a amizade "é a aceitação de cada um como realmente ele é".
Popularmente, disse-se que "o cão é o melhor amigo do homem".
Dia do Amigo (também conhecido como "Dia da Amizade") é comemorado em 20 de julho.
A amizade, tem sido considerada pela religião e cultura popular, como uma experiência humana de vital importância, inclusive tendo sido santificada por várias religiões. No Poema de Gilgamesh, se relata a amizade entre Gilgamesh e Enkidu. Osgreco-romanos tinham, entre outros vários exemplos, a amizade entre Orestes e Pílades. Na Bíblia, cita-se no livro de 1 Samuel, a amizade entre Davi (que depois se tornaria rei em Israel) e Jonatas (filho do Rei Saul) . Os evangelhos canônicosfalam a respeito de uma declaração de Jesus, "Nenhum amor pode ser maior que este, o de sacrificar a própria vida por seus amigos." 3 . Salomão escreveu a sabedoria da Amizade em seus Provérbios: "Em todo o tempo ama o amigo, e na angustia se faz o irmão"4 .
As relações de amizade são amplamente retratadas tanto na literatura como no cinema e na televisão. como exemplos, podemos citar: Dom Quixote e Sancho PançaSherlock Holmes e Watson, os Três MosqueteirosO gordo e o magroOs três patetas, a série Friends, entre outros. Wikipédia

[2] Quando o gnosticismo primitivo já perdia a sua influência no mundo greco-romano, surgiu na Babilônia e na Pérsia, no século III, uma nova vertente, o maniqueísmo.
O seu fundador foi o profeta persa Mani (ou Manés) e as suas ideias sincretizavam elementos do Zoroastrismo, do Hinduísmo, do Budismo, do Judaísmo e do Cristianismo. Desse modo, Mani considerava ZoroastroBuda e Jesus como "pais da Justiça", e pretendia, através de uma revelação divina, purificar e superar as mensagens individuais de cada um deles, anunciando uma verdade completa.
Conforme as suas ideias, a fusão dos dois elementos primordiais, o reino da luz e o reino das trevas, teria originado o mundo material, essencialmente mau. Para redimir os homens de sua existência imperfeita, os "pais da Justiça" haviam vindo à Terra, mas como a mensagem deles havia sido corrompida, Mani viera a fim de completar a missão deles, como o Paráclito prometido por Cristo, e trouxera segredos para a purificação da luz, apenas destinados aos eleitos que praticassem uma rigorosa vida ascética. Os impuros, no máximo podiam vir a ser catecúmenos e ouvintes, obrigados apenas à observância dos dez mandamentos (citados abaixo).
As ideias maniqueístas espalharam-se desde as fronteiras com a China até ao Norte d'África. Mani acabou crucificado no final do século III, e os seus adeptos sofreram perseguições na Babilónia e no Império Romano, neste último nomeadamente sob o governo do Imperador Diocleciano e, posteriormente, os imperadores cristãos. Apesar da igreja ter condenado esta doutrina como herética em diversos sínodos desde o século IV, ela permaneceu viva até à Idade Média.
Santo Agostinho foi adepto do maniqueísmo até se decidir de vez pelo cristianismo. Wikipédia

[3] Análise transacional
A Análise Transacional é um método psicológico criado em 1956 pelo psiquiatra Eric Berne.
Informalmente conhecida como AT, estuda e analisa as trocas de estímulos e respostas, ou transações entre indivíduos. O nome original do método é Transactional Analysis. Os pressupostos básicos foram escritos por Claude Steiner** (Os Papéis que Vivemos na Vida), e são:
1. Todos nascemos OK, isto é, com potencial para viver, pensar, desfrutar.
2. Todas as doenças são curáveis, desde que se encontre a abordagem adequada.
Estes dizeres levam a crer que a AT diferencia caráter e personalidade. O caráter refere-se as tendências que trazemos, como por exemplo, tendência para a lealdade, passividade, alcoolismo, rebeldia (genética - gestação - parto - desenvolvimento neuromotor). Já a personalidade constitui-se da educação e sociedade, daquilo que provém do meio externo, ou seja, das informações de pais, professores, religião, cultura. Parece claro que a personalidade baseia-se também no caráter, mas não o inverso. A análise transacional é um estudo psicodinâmico, enfatizando que a pessoa pode modificar seus sentimentos, pensamentos e escolhas pelo autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Esta possibilidade é enfatizada em sua teoria básica, vinda de Berne, que são: estados de ego, transações, posição existencial e roteiro de vida. Nem o caráter, nem a personalidade devem coibir a autonomia possível do ser humano. Para os Analistas Transacionais, portanto, o ser humano carrega em si a capacidade criativa, e fazendo-se uma metáfora,comparado a uma árvore, teria a seiva que passa pelo seu interior construtiva, a forma de seu tronco seria a personalidade e a madeira que constitui essa forma seria o caráter. Wikipédia

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O Estado de Santa Catarina em outubro

Outubro em Santa Catarina
O Estado de Santa Catarina é fantasticamente surpreendente; do clima ao seu conjunto de culturas, o resultado dessa mistura mostra inúmeras faces, que em outubro (OUTUBRO s.d.) acrescentam a outras festas tradicionais e em seus locais de lazer um leque de opções turísticas incrível (SANTUR s.d.).
Os turistas já descobriram isso, principalmente os mais jovens, algo que é até preocupante exigindo das autoridades locais campanhas educativas, policiamento e restrições nem sempre agradáveis, é o preço da liberdade em ambientes mais protegidos. Em consequência da topografia catarinense suas estradas vicinais, secundárias e algumas muito importantes são perigosas, exigindo muita atenção de quem viaja por essas vias. Lamentavelmente todo ano coleções de tragédias acontecem, até quando?
Quem resiste à beleza, alegria, opções de lazer e simples curiosidade de um espaço que tem inúmeras histórias? Terra de fronteira, destino de milhares de açorianos, alemães, italianos e até brasileiros que para lá se dirigiram para defender nossas fronteiras ao sul do Tratado de Tordesilhas, onde Giuseppe Garibaldi encontrou sua companheira guerreira (Anita Garibaldi s.d.) e meu pai descobriu sua amada que lindíssima era antes de tudo lagunense valente...
Estivemos mais uma vez vendo Blumenau, a Oktoberfest (Germânica e Turismo 2016). Aproveitando a hospitalidade infinita da Sônia Maria e Pedrinho Neto pudemos ver (e filmar um desfile completo, o segundo a bronquite me expulsou da varanda) e passear pela Blumenau onde encontrei mina parceira turista e mãe de tantos filhos queridos. Dessa vez o Bairro Nova Rússia foi a grande novidade assim como o prazer de rever Blumenau em pleno clima subtropical úmido.
Descrever Santa Catarina é uma temeridade, arrogância, uma pretensão para grandes escritores, assim terminamos convidando a todos para irem lá pessoalmente, com tempo para verem suas mudanças de clima, fauna e flora e a obra de imigrantes extremamente trabalhadores e briosos...
Cascaes
17.10.2016

colaboradores, Wikipédia. Anita Garibaldi. s.d. https://pt.wikipedia.org/wiki/Anita_Garibaldi.
OUTUBRO, FESTAS DE. SANTA CATARINA - venha descobrir. s.d. http://turismo.sc.gov.br/atividade/festas-de-outubro/.
Parque Vila Germânica, Ministério do Turismo. Oktoberfest 2016. 2016. http://www.oktoberfestblumenau.com.br/.



domingo, 9 de outubro de 2016

Amigos - um desafio íntimo


Poucas palavras são tão mal-usadas quanto “amigos” e “amizade”[1]. Com certeza consideramos o ato de ser amigo(a) algo importante, mas a vida impõe limites desde que nascemos, afinal a sobrevivência é um instinto básico e talvez Maslow tenha ilustrado da melhor maneira o que são os desafios íntimos que enfrentamos (Hierarquia de necessidades de Maslow).
Mente quem nega qualquer infração às regras de amizade absoluta, ela é circunstancial e tão mais frágil quanto mais exigente formos. Mais ainda: psicólogos, psiquiatras, médicos, sociólogos e até pessoas dedicadas à Justiça aos poucos vão descobrindo patologias (Cascaes, A Pessoa com Deficiência Intelectual) comportamentais que afetam multidões e indivíduos.
O conceito de bom ou mal é consequência do maniqueísmo[2] que se cultiva há milênios; felizmente aos poucos a Ciência vai demonstrando sua relatividade e origens, viabilizando, quem sabe a prevenção e cura dos comportamentos doentios identificados (Cascaes, Saúde - Prevenção e Primeiros Socorros).
Michel Foucault (para falar do filósofo mais recente e famoso internacionalmente) gastou sua vida estudando comportamentos humanos para uma análise filosófica e algumas de suas obras são de leitura obrigatória [ (Foucault, Filosofia Foucault por ele Mesmo), (Foucault, Vigiar e Punir), (Foucault, História da Loucura), etc.] para quem se interessa pelo assunto.
A verdade pura e simples é que temos forças íntimas nem sempre conhecidas por nós mesmos (Id, Ego e superego - Psicanálise de Freud) e (Souza) e usamos e abusamos fortemente de muitos artifícios em nosso relacionamento (Harris) que a Análise Transacional[3] explica muito bem de modo geral, além das patologias psicossociais conhecidas e já razoavelmente estudadas.
O sucesso e acima de tudo a felicidade pessoal são desafios permanentes e para isso, naturalmente, devemos ter consciência das limitações pessoais, nossas e das pessoas que amamos além de senso de prioridades. Vencer na vida, como a própria palavra diz, é competição, disputa, lutas que podem deixar cicatrizes. O desafio pode ser grande e até podemos dizer que o tamanho das virtudes e defeitos do ser humano lutador é proporcional ao nível conquistado, exceto em carreiras virtuosas, longe de multidões.
Acima de tudo é fundamental o que queremos realmente e o que estamos dispostos a sacrificar para conquistar algo (Candiotto).
Naturalmente crescemos e formamos família, geramos descendentes que dependerão de nosso trabalho e relacionamentos, isso tem um valor instintivo colossal.
Os desastres familiares e sociais são efeitos de erros de avaliação induzidos (religiões, ideologias, atavismos, etc.) e mal avaliados.
No século 21, que será com certeza, se os censores e poderes dominantes deixarem, o da comunicação plena e universalização cultural (Cascaes, Ensino e literatura século 21), poderemos evoluir muito, apesar desse início nada auspicioso do fortalecimento do fundamentalismo religioso, imperialismo, guerras étnicas e religiosas, conservadorismos doentios, vaidades incríveis e mercantilismos sem limites.
A esperança de evolução é imensa, pois as novas gerações poderão viver muito e aprender mais do que as anteriores, ou seja, existir sem as pressões hormonais da juventude e início da fase adulta e com cérebros treinados para pensar.
Entre tudo merece reflexões prioritárias no conceito de amizade.
Desde cedo assusta ver filhos e filhas valorizando mais as amizades do que orientações e o amor dos pais. É uma experiência clássica e realidade típica da Humanidade, graças a isso tudo se renova permanentemente, nem sempre para melhor. Assusta, pois principalmente no Brasil já sentimos fortemente o que significa deixar nossos entes queridos à mercê de uma mídia comercial e religiosa oportunistas e no meio de ambientes afetados pela criminalidade.
Infelizmente nossa elite padece de vícios dos tempos escravagistas (ainda) e patrimonialistas; não viabilizou a juventude, desprezou as crianças (Cascaes, Mirante da Educação) e faz pouco caso de seu povo. Garantem seus poderes financiando partidos políticos e lideranças da pior espécie.
Nisso tudo desde a infância somos sensíveis a amizades e ambientes aleatórios que podem gerar seres maravilhosos assim como extremamente nocivos aos nossos ideais mais sinceros e saudáveis.
Amigo? Amiga? Ótimo, mas quem? De que jeito? Onde? Para quê? Quantos?
As redes sociais, principalmente, têm trazido mensagens que não refletem a realidade. Quem viver muito saberá que amizade é algo precioso, importante, mas de efeitos colaterais perigosos se mal escolhidas.
Nesse planeta de multidões crescentes e monstrópolis precisamos desesperadamente de amigos e amigas, o perigo é que a sede excessiva de relacionamentos contamine nossos maiores sonhos de justiça, liberdade e fraternidade.
João Carlos Cascaes
Curitiba, 9 de outubro de 2016


Candiotto, Cesar. Foucault e a crítica da verdade. Curitiba: Champagnat, 2010.
—. s.d. Mirante da Educação. <http://mirante-da-educacao.blogspot.com.br/>.
—. Vigiar e Punir. Vozes, s.d.
Harris, Thomas. Eu estou OK, você esta OK. s.d. <http://www.skoob.com.br/livro/8187-eu_estou_ok_voce_esta_ok>.
“Hierarquia de necessidades de Maslow.” 5 de 6 de 2012. Wikipédia, a enciclopédia livre. <http://pt.wikipedia.org/wiki/Hierarquia_de_necessidades_de_Maslow>.
Id, Ego e superego - Psicanálise de Freud. s.d. <http://www.psicoloucos.com/Psicanalise/id-ego-e-superego.html>.
Souza, Rodrigo De. Os símbolos e arquétipos de Jung. s.d. 5 de 5 de 2014. <http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=01448>.




[1] Amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore; amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego) é uma relação afetiva, a princípio, sem características romântico-sexuais, entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade ao ponto do altruísmo. Neste aspecto, pode-se dizer que uma relação entre pais e filhos, entre irmãos, demais familiares, cônjuges ou namorados, pode ser também uma relação de amizade, embora não necessariamente.
A amizade pode ter como origem um instinto de sobrevivência da espécie, com a necessidade de proteger e ser protegido por outros seres. Alguns amigos se denominam "melhores amigos". Os melhores amigos muitas vezes se conhecem mais que os próprios familiares e cônjuges, funcionando como um confidente. Para atingir esse grau de amizade, muita confiança e fidelidade são depositadas.
Muitas vezes os interesses dos amigos são parecidos e demonstram um senso decooperação. Mas também há pessoas que não necessariamente se interessam pelo mesmo tema, mas gostam de partilhar momentos juntos, pela companhia e amizade do outro, mesmo que a atividade não seja a de sua preferência.
A amizade é uma das mais comuns relações interpessoais que a maioria dos seres humanos tem na vida. Em caso de perda da amizade, sugere-se a reconciliação e o perdãoCarl Rogers diz que a amizade "é a aceitação de cada um como realmente ele é".
Popularmente, disse-se que "o cão é o melhor amigo do homem".
Dia do Amigo (também conhecido como "Dia da Amizade") é comemorado em 20 de julho.
A amizade, tem sido considerada pela religião e cultura popular, como uma experiência humana de vital importância, inclusive tendo sido santificada por várias religiões. No Poema de Gilgamesh, se relata a amizade entre Gilgamesh e Enkidu. Osgreco-romanos tinham, entre outros vários exemplos, a amizade entre Orestes e Pílades. Na Bíblia, cita-se no livro de 1 Samuel, a amizade entre Davi (que depois se tornaria rei em Israel) e Jonatas (filho do Rei Saul) . Os evangelhos canônicosfalam a respeito de uma declaração de Jesus, "Nenhum amor pode ser maior que este, o de sacrificar a própria vida por seus amigos." 3 . Salomão escreveu a sabedoria da Amizade em seus Provérbios: "Em todo o tempo ama o amigo, e na angustia se faz o irmão"4 .
As relações de amizade são amplamente retratadas tanto na literatura como no cinema e na televisão. como exemplos, podemos citar: Dom Quixote e Sancho PançaSherlock Holmes e Watson, os Três MosqueteirosO gordo e o magroOs três patetas, a série Friends, entre outros. Wikipédia

[2] Quando o gnosticismo primitivo já perdia a sua influência no mundo greco-romano, surgiu na Babilônia e na Pérsia, no século III, uma nova vertente, o maniqueísmo.
O seu fundador foi o profeta persa Mani (ou Manés) e as suas ideias sincretizavam elementos do Zoroastrismo, do Hinduísmo, do Budismo, do Judaísmo e do Cristianismo. Desse modo, Mani considerava ZoroastroBuda e Jesus como "pais da Justiça", e pretendia, através de uma revelação divina, purificar e superar as mensagens individuais de cada um deles, anunciando uma verdade completa.
Conforme as suas ideias, a fusão dos dois elementos primordiais, o reino da luz e o reino das trevas, teria originado o mundo material, essencialmente mau. Para redimir os homens de sua existência imperfeita, os "pais da Justiça" haviam vindo à Terra, mas como a mensagem deles havia sido corrompida, Mani viera a fim de completar a missão deles, como o Paráclito prometido por Cristo, e trouxera segredos para a purificação da luz, apenas destinados aos eleitos que praticassem uma rigorosa vida ascética. Os impuros, no máximo podiam vir a ser catecúmenos e ouvintes, obrigados apenas à observância dos dez mandamentos (citados abaixo).
As ideias maniqueístas espalharam-se desde as fronteiras com a China até ao Norte d'África. Mani acabou crucificado no final do século III, e os seus adeptos sofreram perseguições na Babilónia e no Império Romano, neste último nomeadamente sob o governo do Imperador Diocleciano e, posteriormente, os imperadores cristãos. Apesar da igreja ter condenado esta doutrina como herética em diversos sínodos desde o século IV, ela permaneceu viva até à Idade Média.
Santo Agostinho foi adepto do maniqueísmo até se decidir de vez pelo cristianismo. Wikipédia

[3] Análise transacional
A Análise Transacional é um método psicológico criado em 1956 pelo psiquiatra Eric Berne.
Informalmente conhecida como AT, estuda e analisa as trocas de estímulos e respostas, ou transações entre indivíduos. O nome original do método é Transactional Analysis. Os pressupostos básicos foram escritos por Claude Steiner** (Os Papéis que Vivemos na Vida), e são:
1. Todos nascemos OK, isto é, com potencial para viver, pensar, desfrutar.
2. Todas as doenças são curáveis, desde que se encontre a abordagem adequada.
Estes dizeres levam a crer que a AT diferencia caráter e personalidade. O caráter refere-se as tendências que trazemos, como por exemplo, tendência para a lealdade, passividade, alcoolismo, rebeldia (genética - gestação - parto - desenvolvimento neuromotor). Já a personalidade constitui-se da educação e sociedade, daquilo que provém do meio externo, ou seja, das informações de pais, professores, religião, cultura. Parece claro que a personalidade baseia-se também no caráter, mas não o inverso. A análise transacional é um estudo psicodinâmico, enfatizando que a pessoa pode modificar seus sentimentos, pensamentos e escolhas pelo autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Esta possibilidade é enfatizada em sua teoria básica, vinda de Berne, que são: estados de ego, transações, posição existencial e roteiro de vida. Nem o caráter, nem a personalidade devem coibir a autonomia possível do ser humano. Para os Analistas Transacionais, portanto, o ser humano carrega em si a capacidade criativa, e fazendo-se uma metáfora,comparado a uma árvore, teria a seiva que passa pelo seu interior construtiva, a forma de seu tronco seria a personalidade e a madeira que constitui essa forma seria o caráter. Wikipédia

sábado, 8 de outubro de 2016

A mediocridade e a desonestidade



No espectro comportamental e até patológico podemos classificar e qualificar pessoas e até instituições, todas têm um “DNA” singular e mostram explicitamente ou não suas tendências, culturas e potenciais.
Entre as muitas “doenças” a pior, com certeza, é a decorrente da má educação.
Educa-se pelo exemplo e lições formais, boas leituras, exercícios intelectuais etc.
A mediocridade é um câncer incurável e doença extremamente disseminada. Talvez o vírus do mau comportamento seja disseminado de propósito, algo que percebemos na programação das emissoras de televisão comerciais, sempre mantidas e ardorosas defensoras de seus patrocinadores.
Existem casos extremos e Federico Fellini mostrou em seus filmes o que a natureza humana é capaz de mostrar em casos extremos, com destaque para (A Trapaça). O crime chega a ser motivo de orgulho e meio de vida para muitas pessoas, absolutamente indiferentes ao sofrimento que possam causar.
O pesadelo, contudo, é a pressão que pessoas frustradas e limitadas criam para inibir o crescimento de quem está sob alguma espécie de influência delas.
Podemos relatar inúmeros casos de mediocridade planejada e o que mais irrita é quando isso atinge nossos filhos, netos, bisnetos, nossa família enfim. Quanto mais conhecemos o potencial daqueles que amamos mais nos entristece sentir a demolição de vidas e carreiras que más companhias podem produzir.
Isso significa que devemos ensinar quem depende de nós a ter atenção a ambientes e pessoas negativas. Podemos muito mais do que possamos imaginar, o fundamental é escolher o caminho e a forma de enfrentar doenças ambientais. Elas existem a partir de pessoas, culturas, de gente disposta a atrapalhar, mesmo que com “boas intenções”.
Os grandes vencedores são principalmente aqueles que passaram por dificuldades extremas. A história contém exemplos famosos de pessoas que superaram tudo e deixaram suas marcas na Civilização Universal. Principalmente quem partiu de cenários complexos e difíceis tem muito a ensinar.
O grande perigo da sociedade moderna é a riqueza, a flacidez das facilidades.
Famílias desatentas esquecem de expor seus pupilos a desafios. Superprotegem, mimam, tratam seus entes queridos como se a vida adiante venha a ser sempre fácil e rica. A cada instante tudo poderá desabar. As grandes catástrofes ensinam muito.
Quem nasce e vive algum tempo em lugares perigosos aprende a sobreviver, o que talvez explique o sucesso de países como o Japão, sempre prestes a sofrer um grande terremoto, maremoto e até erupções vulcânicas.
O estado de alerta educa, mas os problemas podem surgir de inúmeras maneiras.
Pais e mestres devem ensinar a lutar, a persistir, a aprender sem subserviência. Isso não significa facilitar a rebeldia; a desobediência sem consequência disciplinares é gratuita e demolidora da formação do caráter do futuro cidadão. Pagar pelos erros próprios é importante, é uma forma de temperar[1] o caráter assim como e revenimento (Revenimento)[2] aprimora, suaviza e restringe a qualidade do fio das lâminas.
Pragmatismo, utilitarismo, realismo ético e educacional são orientações que precisam se misturar sem radicalismos típicos dos fanáticos ideológicos, pregadores e profetas. As vidas pessoais, profissionais, sociais e políticas são complexas demais para se subordinarem tacitamente a critérios teóricos e lendas de tempos remotos.
O desafio da evolução, contudo, é a criação de imperativos categóricos que possamos assumir sem prejuízos significativos. Que tipo de prejuízos? Temos o que denominamos de “consciência”. É algo abstrato e íntimo, até onde ela mostra algo objetivo?
Lembrando as patologias físicas e mentais podemos imaginar uma variedade infinita de composições sinceras, perigosas ou saudáveis.
O que caracteriza as escolas filosóficas antigas é a rigidez de conceitos, desconheciam a estrutura fisiológica dos seres humanos. Era fácil julgar e condenar ou prometer privilégios neste e em outros mundos. Agora a situação é diferente, sabemos o suficiente da natureza humana para entender o comportamento humano nosso e de terceiros, o que, por outro lado, dá um tremendo poder a quem souber usar esses conhecimentos.
Ao julgar sociedades antigas merece especial atenção a obra de Michel Foucault, com destaque para (Foucault, A Arqueologia do Saber).
E agora?
Falávamos de mediocridade, essa é uma endemia social muito maior do que se possa imaginar. Graças a ela poucas pessoas se destacam e muitas têm oportunidades onde gente muito melhor não aproveitou, simplesmente por preguiça mental e intelectual ou derrotismo, acidentes, erros e coisas da vida.
Se a mediocridade é um problema, é também uma tremenda oportunidade a quem está disposto a lutar e vencer.
O desafio de pais, educadores, lideranças honestas é gigantesco num plante que encolhe e se destrói.
Inacreditavelmente percebemos a volta de teses que pareciam superadas.
Nesse ambiente precisamos ensinar o poder da dúvida, honestidade intelectual, seriedade, humildade e coragem quando necessário.
Simplesmente o século 21 será mais um período extremamente perigoso. É prudente aprender a sobreviver.

João Carlos Cascaes
Curitiba, 8 de outubro de 2016


Foucault, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária Ltda., 2010.








[1] têmpera refere-se a um resfriamento brusco. Na química de polímeros e na ciência dos materiais, o processo de têmpera é usado para evitar processos que se dão em temperaturas mais baixas, tais como transformações de fase, disponibilizando apenas uma pequena janela de tempo em que a reacção é termodinamicamente favorável e cineticamente acessivel. Por exemplo, pode reduzir a cristalinidade e por consequência aumentar a rigidez de ligas e plásticos (produzidos através depolimerização).
Em metalurgia, é mais frequentemente usado no endurecimento de aço ao introduzir martensita, submetendo o aço a um arrefecimento brusco e obrigando-o a passar pelo seu ponto eutetóide, a temperatura onde a austenita se encontra instável. Em ligas de aço com outros metais, tais como o niquel e o manganês, a temperatura eutectóide torna-se mais baixa, mas as barreiras cinéticas à transformação de fase são iguais. Isto permite que o processo de têmpera comece a uma temperatura mais baixa, tornando o processo mais fácil. O aço rápido também possui tungstênio, que tem como função o aumento das barreiras cinéticas e dar a ilusão que o material arrefeceu mais rapidamente do que realmente foi. Até o arrefecimento de tais ligas ao ar (processo de normalização) obtém muitos dos efeitos desejados do processo de têmpera e so depois disso tudo que o aço pode ser entao comercializado.
A tempera tem como objetivo a obtenção de uma microestrutura que proporcione propriedades de dureza e resistência mecânica elevadas. A peça a ser temperada é aquecida à temperatura de austenitização e em seguida é submetida a um resfriamento brusco, ocorrendo aumento de dureza. Durante o resfriamento, a queda de temperatura promove transformações estruturais que acarretam o surgimento de tensões residuais internas. Sempre após a têmpera, temos que realizar o revenimento, para a transformação da martensita em martensita revenida. Wikipédia

[2] Revenimento é um processo feito após o endurecimento por têmpera. Peças que sofreram têmpera tendem a ser muito quebradiças. A fragilidade é causada pela presença da martensita. A fragilidade pode ser removida pelo revenimento.
O resultado do revenimento é uma combinação desejável de dureza, ductilidade, tenacidade, resistência e estabilidade estrutural. As propriedades resultantes do revenimento dependem do aço e da temperatura do revenimento. @cimm